fbpx

O que vem com as águas? Prepare-se para a estação das chuvas

A chegada da primavera traz junto um maior volume de chuva, que impacta diretamente a agropecuária.  Este período é considerado um ótimo momento para iniciar novos projeto e cultivos. Afinal as condições climáticas favorecem estes planejamentos. É o momento de aumentar o ritmo de trabalho para aumentar as produções. Também se exige aumento da equipe e mão-de-obra, para que o planejamento dos manejos seja desenvolvido da melhor forma. 

Apesar de ser um momento de renovação no setor e início de um novo ciclo produtivo, o período também traz uma preocupação: o aumento da infestação de pragas. O clima quente e úmido favorece o ciclo biológico das pragas. A multiplicação e infestação ocorre mais rapidamente, sendo um alerta para o pecuarista. Este é o cenário ideal para o desenvolvimento de carrapatos. Com a chegada das chuvas, estes parasitas aumentam a infestação nos animais e contaminam o ambiente com maior facilidade.

Chuvas e carrapato: uma combinação perigosa

As condições ambientais encontradas no período das chuvas favorecem diretamente o desenvolvimento dos carrapatos. As fêmeas já fecundadas, o melhor cenário para se desprender dos animais, e liberar os ovos no solo. Ao mesmo tempo, as condições ambientais facilitam a eclosão das larvas, provenientes dos ovos depositados nas pastagens. 

Cada fêmea do carrapato pode colocar até três mil ovos. Com condições favoráveis e tratamento ineficaz, o parasita pode aumentar os danos no rebanho. Altas infestações, principalmente na época das chuvas é bastante perigosa. Impacta diretamente a sanidade e a produtividade do rebanho. Os animais podem apresentar perda de peso, redução de produção de leite, além de favorecer o desenvolvimento da tristeza parasitária. 

A grassy field near the water with cows eating grass at daytime

Como o pecuarista deve se preparar?

A primeira orientação é se preparar para manejar bem os animais e a pastagem. Assim os erros no manejo são mitigados, prezando pelo bem estar rebanho. A primeira geração de infestação do carrapato surge nos meses de primavera. Está condicionada ao aumento da temperatura média e umidade relativa do ar (início do período chuvoso). É importante salientar que o desenvolvimento de cada geração, sofre impacto direto da anterior. Por isso, o sucesso do controle depende da redução do parasita  já na primeira geração. Tomar as medidas corretas de controle desde o início, impede que o crescimento da infestação e o controle é mais eficiente.

Quando avaliamos a distribuição total dos carrapatos, a maior parte da população se encontra no ambiente. Cerca de 95% da população geral se estabelece nas pastagens e apenas 5% nos animais. Por isso, conhecendo o ciclo de vida do parasita e sabendo que é favorecido pelas chuvas, o pecuarista deve planejar o controle mais efetivo, a fim de reduzir as infestações. 

Como prevenir as infestações

É recomendado que o tratamento seja aplicado pelo produtor antes do início do período chuvoso. Assim, se evita que no período de maior infestação, o número de carrapatos esteja alto. Entretanto, não se deve concentrar aplicações de carrapaticida nos animais quando estes apresentam maior número de carrapatos. A prevenção deve ser baseada no constante monitoramento e observação dos animais. Não existe uma regra quando se trata de controle de carrapatos. A tomada de ação deve ser baseada no conhecimento do ciclo de vida do parasita. Tratar os animais, assim como as infestações em pasto, de forma planejada é a melhor forma de reduzir o problema.

É importante que o pecuarista planeje a aquisição dos produtos de controle. O ideal é que ocorra antes da chegada das chuvas. Se necessário, deve procurar o assessoramento de profissionais especializados. Quando o problema ainda está no início, os impactos são menores. Através de um controle assertivo, o rebanho fica livre dos carrapatos e pronto para expressar a melhor produtividade.