fbpx

Cigarrinha-das-pastagens: conheça e combata com eficiência

No Brasil, a área total de pastagens corresponde a 159 milhões de hectares. Deste montante, 30% são ocupados com pastagens naturais e 70% são pastagens cultivadas (Censo IBGE, 2017). Estes números mostram a força da pecuária brasileira, uma referência mundial no setor.

Assim como diversos cultivos agrícolas, as pastagens também são atingidas por insetos-praga. Dentre estes, se destaca a cigarrinha-das-pastagens.  Os gêneros Deois e Mahanarva são os mais conhecidos, sendo a espécie de maior importância a Deois flavopicta

Figura 1: Adulto da espécie Deois flavopicta.

Foto: Ivan Cruz

O ciclo de vida da cigarrinha dura em média 50 dias, quando em condições favoráveis. Apresenta três fases: ovo, ninfa e adulto. Os ovos são depositados na base das plantas e eclodem no início das chuvas. As ninfas oriundas destes ovos, já se alimentam das plantas, ou seja, causam danos. Ao longo de seu desenvolvimento, passam por trocas do exoesqueleto (pele do inseto). Na última troca se tornam adultos, que ao se reproduzirem, iniciam um novo ciclo. 

De forma geral, a ocorrência da cigarrinha-das-pastagens coincide com a época de chuva. Apresentam de três (regiões mais frias) a seis (regiões mais quentes) gerações no ano. No período seco, resistem na forma de ovo e podem ficar nesta fase por até 200 dias. Para detectar a presença do inseto no cultivo procure por massas de espuma na base das plantas. Quando estão na fase de ninfa, o inseto produz essa espuma característica que mantém a umidade ao seu redor e protege contra inimigos naturais.

Figura 2: Espuma característica da presença da cigarrinha.

Foto: Ivan Cruz

Por serem insetos sugadores e se alimentam diretamente da seiva das plantas. Ao inserirem seu aparelho bucal injetam toxinas no tecido vegetal que pode causar fitotoxemia (intoxicação geral). Seus principais danos estão descritos a seguir: 

  • Presença de folhas amareladas e secas;
  • Plantas com aspecto de “queimado”;
  • Crescimento lento das plantas;
  • Presença de falhas na pastagem;
  • Redução da produtividade;
  • Morte da planta;

Quanto maior a população da praga, maiores são prejuízos econômicos acarretados por sua infestação. Monitore seu cultivo e fique atento aos primeiros sinais da presença da cigarrinha.

As gramíneas são a base da alimentação dos bovinos. Manter sua qualidade é manter o rebanho saudável. Estas áreas precisam de muito cuidado para se manterem produtivas. Entretanto, muitas vezes não recebem o cuidado que merecem, pela dificuldade de mensurar os problemas que as pragas acarretam a produção. A Decoy acredita que compartilhar informações e tecnologia é primordial para que o pecuarista atue com maior assertividade.

Nossa equipe já desenvolveu um tratamento 100% biológico, a base de fungos específicos para controle da cigarrinha. Nossa estratégia é unir nossa tecnologia com a experiência do produtor em campo. Assim, conseguimos realizar um controle biológico efetivo. 

E qual a recomendação para este produto? Recomendamos a realização de duas aplicações. A primeira após a detecção das primeiras cigarrinhas adultas, que ocorrem logo após as primeiras chuvas. Monitore sua pastagem! A segunda aplicação deve ser realizada de 6 a 8 semanas após a primeira.  A figura abaixo mostra a recomendação de aplicação baseada no início da infestação e desenvolvimento das gerações no campo.

O controle biológico é uma ferramenta poderosa no combate a cigarrinha-das-pastagens, é acessível ao uso e preserva a qualidade fitossanitária e ambiental da sua pastagem e seus animais. Conheça mais nas ferramentas de controle biológico. 

A Decoy acredita na força da natureza para combate das pragas na pecuária. Continue nos acompanhando! Para mais informações entre em contato com nossa equipe no Box abaixo. 

Bibliografia

Sujii, E.R. Modelagem e simulação da dinâmica populacional da cigarrinha-das-pastagens, Deois flavopicta (Homopteia: Cercopidae). Dissertação de Doutorado – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia, Campinas, SP, 1998. 

Valério, J.R. Cigarrinhas-das-pastagens — Dados eletrônicos — Campo Grande, MS : Embrapa Gado de Corte, 2009. 51 p (Documentos / Embrapa Gado de Corte, ISSN 1983-974X ; 179).